A estratégia da Nasa para, pela 1ª vez, desviar um asteroide que passará perto da Terra
05/07/2017

Por BBC Brasil





Nova técnica pode proteger o planeta de ameaças no futuro

A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, prepara uma ambiciosa missão: desviar um asteroide que passará perto da Terra.

O alvo é um asteroide chamado Didymos ("gêmeo" em grego), que conta com um sistema binário, ou seja, dois corpos: o Didymos A tem aproximadamente 780 metros de comprimento, e o Didymos B, um corpo menor que o envolve, tem uns 160 metros.

A previsão é de que esse asteroide passe relativamente perto da Terra, a cerca de 11 milhões de quilômetros de distância, em outubro de 2022 e depois em 2024.

É aí que a Nasa quer colocar em prática a primeira missão para demonstrar uma técnica de deflexão, isto é, de desvio do asteroide para proteger o planeta.

"O risco de impacto do asteroide é real, pergunte aos dinossauros", diz à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC) Jean Luc Margot, professor de astronomia da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). "Diferente de outros perigos naturais como furacões, erupções vulcânicas, terremotos, etc, os impactos dos asteroides podem ser evitados com a tecnologia atual."

Como será a missão?

No momento, a Nasa trabalha no design do Teste de Redirecionamento do Asteroide Duplo (DART, na sigla em inglês).

"O DART será a primeira missão da Nasa para colocar na prática o que é conhecido como técnica de pêndulo cinético - bater no asteroide para mudar sua órbita - a fim de defender a Terra de um possível impacto futuro", explica Lindley Johnson, especialista em defesa planetária da Nasa em Washington.

E, para testar esse novo projeto, que ainda se encontra em uma fase preliminar, os cientistas da agência espacial acreditam que o Didymos é a melhor oportunidade.

"Um asteroide binário é o laboratório natural perfeito para esse teste", diz Tom Statler, cientista do programa do DART, em comunicado da Nasa. "O fato de o Didymos B estar em órbita ao redor do Didymos A faz com que seja mais fácil ver os resultados do impacto e garante que o experimento não mude a órbita da ambos ao redor do Sol."

Para o professor Margot, a escolha desse asteroide é boa porque ele é relativamente acessível para aeronaves espaciais e é possível medir as mudanças com imagens de radar.

Mais rápido que uma bala

Segundo a Nasa, o DART atingirá o Didymos B, o asteroide menor, "a uma velocidade de 6 km por segundo, nove vezes mais rápido que uma bala".

Com esse teste, os cientistas poderão avaliar a mudança resultante na órbita de Didymos B ao redor de Didymos A. Isso permitirá determinar as capacidades do impacto cinético como uma estratégia de mitigação de asteroides.

"O DART é um passo crítico para demonstrar que podemos proteger nosso planeta de um impacto futuro de asteroides", diz Andy Cheng, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland (EUA), que também participa do projeto.

Segundo o professor Margot, a iniciativa está dentro das capacidades tecnológicas dos Estados Unidos, mas pode enfrentar o risco de cortes orçamentários.

"Se os responsáveis pelo orçamento não apoiarem o projeto, poderão ser considerados culpados pela perda de vidas e bens em caso de um impacto grande de um asteroide", opina Margot.
 Outras Matérias
13/11/2017
Conheça 6 mitos sobre a mente
Você só usa 10% do cérebro? Pode aprender idiomas dormindo?

08/11/2017
Conheça as ‘superfrutas’
Encontradas na Mata Atlântica as ‘superfrutas’, pesquisadores tentam salvar da extinção

06/11/2017
Compras Online
De 1994 a 2017: a evolução no mundo das compras virtuais

03/11/2017

Como poucas noites mal dormidas já afetam nosso metabolismo e saúde mental

01/11/2017
Tecnologia e Educação
Adolescentes de Curitiba vencem concurso de invenções e se preparam para conhecer a Nasa

23/10/2017
Computação quântica
Computação quântica: como será a internet super-rápida do futuro

18/10/2017
A tecnologia que deu voz a duas meninas
A tecnologia que deu voz a duas meninas que não podiam falar

16/10/2017
Baixa umidade
Calor recorde obriga brasiliense a tomar cuidados especiais com a saúde

11/10/2017
Horário de verão pode causar infarto?
Veja o que dizem estudos recentes

06/10/2017
É verdade que empresas com mulheres no alto escalão têm resultados melhores?
Estudos sugerem que empresas com mulheres no alto escalão costumam ter melhor desempenho financeiro.

Horário de funcionamento:
De segunda à sexta das 8:00hs as 12:00hs e das 14:00hs as 18:00hs
Unidade Brasília
(61) 3245-7881