Robôs de inteligência artificial buscam novos medicamentos para doença degenerativa
11/08/2017

Por Reuters



Tecnologia analisa banco de dados e sugere drogas promissoras com rapidez. Uma delas está em testes para a esclerose lateral amiotrófica.
Robôs de inteligência artificial estão acelerando a corrida para encontrar novos medicamentos para combater a esclerose lateral amiotrófica (ELA).

A enfermidade, também conhecida como doença de Lou Gehrig, ataca e mata as células nervosas que controlam os músculos, provocando fraqueza, paralisia e, por fim, insuficiência respiratória.

Existem apenas dois remédios aprovados pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA para retardar a progressão da esclerose lateral amiotrófica, uma disponível desde 1995 e outra aprovada apenas este ano.

Cerca de 140.000 novos casos são diagnosticados por ano globalmente e não há cura para a doença, conhecida por afetar o físico Stephen Hawking. Diagnostica com a condição aos 21 anos, ele vive em uma cadeira de rodas e se comunica por computador.

"Muitos médicos a consideram a pior doença da medicina e a demanda não atingida é enorme", disse Richard Mead, do Sheffield Institute of Translational Neuroscience.

Robôs

Softwares complexos executados por computadores poderosos trabalham como super-pesquisadores incansáveis e imparciais. Eles analisam enormes bancos de dados químicos, biológicos e médicos muito mais rápido do que o humanamente possível, produzindo novos alvos biológicos e possíveis remédios.

Em testes pré-clínicos em Sheffield, um candidato a medicamento proposto por tais máquinas produziu recentemente resultados promissores na prevenção da morte de neurônios e atraso no início da doença.

Caso a pesquisa produza novos medicamentos, marcaria uma vitória notável para a inteligência artificial na descoberta de remédios, impulsionando as perspectivas de um crescente número de startups focadas na tecnologia.

Estas empresas estão se baseando na premissa de que, embora os robôs de inteligência artificial não substituam cientistas e médicos, podem economizar tempo e dinheiro, descobrindo fármacos muito mais rapidamente que processos convencionais.


 Outras Matérias
22/01/2018
Sustentabilidade
Cientistas sugerem meios para reciclar matérias-primas de lixo eletrônico

18/01/2018
Telescópio Hubble faz registro sem precedentes
Telescópio Hubble faz registro sem precedentes de uma das galáxias mais antigas do Universo

16/01/2018
Ciência
Ununênio, o novo elemento químico que cientistas japoneses tentam criar

10/01/2018
Dias mais longos segundo a astronomia
Ao contrário do que parece, a astronomia garante que nossos dias têm ficado mais longos

08/01/2018
Tecnologia
O país que usa o calor da internet para aquecer casas

12/12/2017
Tecnologia
Por que atualizar computador é mais importante até que antivírus para evitar ciberataques

07/12/2017
A menina que indica livros
"A menina que indica livros" ganha prêmio por vídeos no YouTube e ações de incentivo à leitura

05/12/2017
Da idade à tecnologia
Entenda como diferentes fatores explicam a sensação de que o tempo está voando

27/11/2017
Tecnologia e Educação
Aplicativo para catalogar espécies é grande vencedor do Concurso Desafios Sustentáveis

24/11/2017
Rede Social Chinesa
A rede social chinesa que já vale mais do que o Facebook - e por que você não a conhece

Horário de funcionamento:
De segunda à sexta das 8:00hs as 12:00hs e das 14:00hs as 18:00hs
Unidade Brasília
(61) 3245-7881